terça-feira, 30 de outubro de 2018

Acervo da antiga Cinédia

Alice Gonzaga e Bebel Assaf, filha e neta do fundador da Cinédia  
Foto: Vânia Laranjeira

Publicado originalmente no site Cultura RJ, em 19.07.2011

Preciosidades do cinema, num casarão na Glória

Acervo da antiga Cinédia é acalentado pela família de Adhemar Gonzaga, seu fundador

Sempre que vai à Feira de Antiguidades da Praça XV, no Centro do Rio, a pesquisadora Alice Gonzaga se ressente com um anacronismo. "Olho para o chão e vejo, estendidas, imagens de pessoas com quem eu convivia", diz, sobre as fotos antigas oferecidas para venda, acrescentando que, dia desses, flagrou a si própria, ainda menina, num dos registros.

Desde os 6 anos de idade, Alice, hoje com 76, dedica-se a resguardar dos efeitos do tempo imagens importantes para a memória cultural do Brasil. Filha do jornalista e cineasta Adhemar Gonzaga, fundador da mítica Cinédia? nada menos que o primeiro estúdio cinematográfico do país -, ela preserva, num casarão histórico no bairro da Glória, parte essencial da cinematografia brasileira, além de registros raros do começo do século passado que lançam luz a produções de outros países.

"A maioria das pessoas pensam que só guardamos material da Cinédia. Mas a parte mais preciosa do nosso acervo são fotografias e documentos de produções alemãs, dinamarquesas americanas e francesas das décadas de 1920 e 1930. Temos aqui imagens que não existem mais em seus países de origem, porque foram destruídas pela guerra", conta.

O "aqui" refere-se à casa na Rua Santa Cristina que, rebatizada com o nome Cinédia, abriga há três anos os arquivos que antes habitavam os estúdios de Jacarepaguá. Por lá estão guardados equipamentos que testemunharam as primeiras filmagens brasileiras; fotos, cartazes, contratos e documentos de filmes de diferentes fases e estilos do cinema nacional; cerca de 40 fitas de obras produzidas pela Cinédia original. Mas não apenas isso. Colecionador voraz desde a infância, Adhemar Gonzaga preservou em seus arquivos um vasto material sobre o cinema e a cultura ao redor do mundo, o que inclui desde recortes de jornal até fotos que recebia divulgando produções estrangeiras. Alice herdou a mania do pai, e continua engordando os arquivos, que contam com mais de 250 mil imagens.

Em família

Além da abrangência do acervo da Rua Santa Cristina, o que surpreende no trabalho atual da Cinédia é o caráter familiar que o sustenta. Fora Alice, trabalham no arquivo duas de suas filhas: Bebel e Maria Eugênia. Juntas, as três administram e cuidam do acervo, rejeitando qualquer possibilidade de abri-lo a parcerias públicas ou privadas.

"Eu defendo esse arquivo com unhas e dentes. Quero tê-lo sob meus olhos, garantindo sua integridade", justifica a matriarca, ela própria um arquivo vivo. Grandes figuras da cultura brasileira eram, afinal, personagens corriqueiros em sua vida desde o berço. "Eu gostava de ir à costureira com a Carmem Miranda, quando criança. Só lamentava que o caminho fosse tão breve: bastava uma caminhada até a Lagoa, no Edifício Lombardi". Com Humberto Mauro, grande colaborador dos estúdios Cinédia, Alice teve pouco contato. Mas conviveu longamente com o casal Vicente Celestino e Gilda de Abreu. "O Vicente era muito simpático e alegre, não tinha nada daquela tristeza toda de O ébrio. Mas a Gilda era muito mandona. Foi ela que segurou a carreira do Celestino, era a cabeça do casal", conta.

Sem qualquer patrocínio, a Cinédia atual tem a base de sua receita na venda de reproduções de fotos e de trechos de filmes. "Na internet há bastante coisa, mas a qualidade não é a mesma", justifica. Há 1 ano, duas salas do casarão são usadas para cursos, que vão da música aos quadrinhos. O acesso ao acervo, porém, acontece de forma mediada. Quem descreve é a própria Alice: "Os pesquisadores devem me procurar, explicar o objetivo da pesquisa e eu mesma separo o material. Infelizmente, isso é pago, de acordo com o volume de informações envolvidas. Afinal, precisamos manter essa casa".

O rigor nos procedimentos possivelmente afasta candidatos à pesquisa, a própria Alice admite. "Sou chata", diz, bem-humorada. Algumas pessoas acabam conquistando, porém, regalias. É o caso do escritor Ruy Castro, que recorreu às raridades do acervo quando escreveu a biografia de Carmen Miranda. "Meu sonho é convencê-lo a escrever agora a biografia do Adhemar Gonzaga", revela a pesquisadora, que acalenta o hábito de chamar o pai e as filhas pelo nome próprio. "Precisamos zelar pelo profissionalismo", justifica.

Mas há outros sonhos que Alice enumera. Um deles é conseguir digitalizar os filmes feitos pela Cinédia. Há pouco tempo, cinco deles foram restaurados, graças ao apoio da Petrobras. "Queremos restaurar outros, mas preciso recobrar o fôlego. Os laboratórios no Brasil têm um processo muito demorado. Às vezes eu penso se não seria mais fácil fazer esses restauros em Amsterdã", brinca.

Outro sonho é criar um Museu do Cinema. E convencer algum carnavalesco a transformar em samba-enredo o filme Alô, alô Carnaval. "Cada número musical seria uma ala", imagina.

Juliana Krapp

Texto e imagem reproduzidos do site: cultura.rj.gov.br

5 comentários:



  1. شركة التميز المثالي للخدمات المنزلية وتنظيف المنازل والشقق والفلل بالدمام والخبر والقطيف والجبيل
    قسم خاص لتسليك المجاري بالضغط ومكافحة الحشرات وتنظيف للمجالس والسجاد والموكيت وتنظيف الخزانات
    نقدم افضل الخدمات المنزلية بالمنطق الشرقية 0551844053

    شركة تسليك مجاري بالدمام
    شركة تنظيف منازل بالدمام
    شركة مكافحة حشرات بالدمام
    شركة تنظيف منازل بالجبيل
    شركة مكافحة حشرات بالجبيل
    شركة تنظيف سجاد بالجبيل
    شركة تسليك مجاري بالخبر
    شركة تنظيف منازل بالخبر
    شركة تركيب وصيانة الكهرباء بالدمام والخبر
    شركة المثالية للتنظيف بالجبيل


    ResponderExcluir